• PT
  • EN
  • FR

O Comité Olímpico Internacional (COI) através da do programa de Solidariedade Olímpica, em cooperação com quatro universidades europeias, lança o programa de mestrado em Estudos Olímpicos, que terá sede na Universidade de Desporto de Cologne, na Alemanha a partir de Setembro de 2016.

Uma oportunidade ùnica para os cabo-verdianos interressados no Movimento Olímpico  pois, o principal objectivo deste curso é o de proporcionar aos alunos um conhecimento interdisciplinar, sobre o Movimento Olímpico.

Equipas de ensino internacionais de diferentes universidades cooperantes vão leccionar seminários sobre a história do desporto, a pedagogia do desporto, a ética, relações internacionais, media / comercialização e governança do desporto, todos estreitamente ligados aos Estudos Olímpicos.

O programa de estudos avançados implementa um de alto nível, currículo-interdisciplinar em Estudos Olímpicos destinada a promover as ligações entre o acadêmico e o mundo olímpico.

O referido que concede um “Master of Arts” em Estudos Olímpicos e é projetado para facilitar o recrutamento de um vasto leque de participantes de diversas origens académicas e profissionais .

As vagas são limitadas e os candidatos serão obrigados a possuir um diploma de bacharel ou seu equivalente, e ter pelo menos dois anos de experiência de trabalho em um ambiente idealmente relevantespara os interesses da família olímpica .

O Comité Olímpico Cabo-verdiano vai seguir possíveis candidaturas de cabo-verdianos às vagas.

Para mais informações queiram consultar os links que se seguem ou enviar um email para -  Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar..

https://www.dshs-koeln.de/studium/studienangebot/weiterbildungsmaster/ma-olympic-studies  

http://ceo.uab.cat/pdf/C1004.pdf 

Foto:partiuintercambio.org

O “Programa de prospeção e deteção de jovens talentos desportivos na Diáspora” recentemente lançado pela Direcção-geral dos Desportos (DGD), em Lisboa, Portugal, quer detectar o maior número possível de jovens com talento desportivo, na Diáspora Cabo-verdiana, que é grandemente maior que o número populacional nas ilhas.

Nos últimos tempos Cabo Verde tem “perdido” vários jovens promissores, para países onde residem actualmente, e este facto foi o primeiro impulcionador para o desencadear deste projecto.

Um dos objectivos deste programa e constuir uma base de dados sobre estes talentos, para mais tarde fornecer às autoridades desportivas nacionais, como os Comités Olímpico e Paralímpico, federações e clubes.

Desta forma em qualquer parte do mundo o atleta pode se registar a partir do site do programa.

Foto: Christian kemp

O Comité Olímpico Cabo-verdiano (COC) e a Universidade de Cabo Verde (UNICV) reforçaram, esta sexta-feira, 13, as suas relações com assinatura de um protocolo, na reitoria da universidade, que visa o desenvolvimento e execução conjunta de programas e projetos desencadeados, em prol do Movimento Olímpico na sociedade cabo-verdiana.

O ato que contou com responsáveis da UNICV e membros das comissões do Comité Olímpico, vem reforçar as relações já existentes entre as duas instituições que primam pelo desporto e educação.

O protocolo rubricado tem como presupostos a cooperação técnica, científica, educacional, cultural e social, visando o desenvolvimento e execução conjunta de programas e projetos desencadeados em prol da academia e do desporto; a realização de cursos, estágios e de integração de estudantes e jovens diplomados pela UNICV no movimento olímpico; a organização conjunta de seminários, workshops e conferências de interesse comum e o desenvolvimento de ações que visem a expansão conjunta de projetos e programas relacionados com a Academia e o Desporto.

Na ocasião a Presidente do COC, Filomena Fortes esclareceu que o protocolo vem auxiliar na questão das formações em ambas instituições, pois a organização conjunta de workshops e conferências trará benefícios para todos, principalmente para os interressados no movimento olímpico.

Já para a Reitora da UNICV, Judite Nascimento “o protocolo vem reforçar as relações que existiram desde o início”, já que o curso de Educação Física e Desporto, implementado ainda este ano na universidade, conta com a colaboração do COC.

O Comité Olímpico Cabo-verdiano e a UNICV passam agora a estar mais próximos, na execussão do lema “desporto um pódio para todos”.

No dia internacional da tolerância, a Presidente do Comité Olímpico Cabo-verdiano (COC), Filomena Fortes, dirigiu-se à embaixada da França, na cidade da Praia, para prestar as suas condolências às vítimas dos atentados em Paris, ocorridos na última sexta-feira, 13 de Novembro.

Em suas palavras escritas no livro de condolências da embaixada, a Presidente deixou sua mensagem de pezar pelas vítimas e pediu para que haja mais tolerância no mundo, condenando assim todos os actos de terrorismo, que acontecerem no passado dia 13.

Filomena Fortes foi mais uma das figuras de Cabo Verde a prestar homenagem ao povo francês, pois na manhã desta segunda-feira, o Primeiro-ministro, José Maria Neves, bem como o elenco governamental, esteve na embaixada da França, para deixar a sua mensagem de apoio às vítimas dos atentados em Paris.

De recordar que na última sexta-feira, 13 de Novembro, seis actos terroristas com bombas e tiroteios, aconteceram quase em simultânio na capital da França, Paris, incluindo numa sala de espetáculos e no Estádio Nacional, onde decorria um jogo amigável entre a França e a Alemanha, deixando mais de 128 vitimas mortais e cerca de 300 feridos.

À volta do mundo todos deixam as suas mensagens ao povo francês pela tragédia, e o Comité Olímpico Cabo-verdiano não podia deixar de prestar as suas condolências, às familias atingidas e a todos os franceses neste momento difícil.

 

O campeão mundial de lançamento de dardo paralímpico, Márcio Fernandes, visitou, esta quarta-feira, 12, o Comité Olímpico Cabo-verdiano (COC), para mostrar a medalha de ouro à Presidente, Filomena Fortes, e agradecer o apoio desta instituição.

O cabo-verdiano que brilhou na pista do Campeonato do Mundo, no Qatar, chegou à cidade da Praia, nesta madrugada de quarta-feira, onde foi recebido por amigos e muitos fãs.

Na conversa com o Comité, Márcio descreveu o momento da sua medalhação como inesquecível, sendo “uma vitória duplamente marcante, já que foi a vitória de Cabo Verde perante países potentes na competição, e a minha vitória”.

Conforme esclarece, “quando se sobe ao pódio e se ouve o hino a tocar é um momento de muita emoção, e a realização do sonho de qualquer atleta”

Mas quem pensa que para chegar ao ouro a caminhada do cabo-verdiano foi fácil, se engana, pois o campeão já pratica atletismo há mais de 20 anos, e já sofreu muitos altos e baixos na sua carreira.

Entretanto em 2012 foi o trampolim para a subida de forma de Márcio Fernandes, que participou nos Jogos Paralímpicos de Londres, tendo um ano antes conseguido o record africano de lançamento de dardo e de peso. Em 2013 foi vice-campeão do mundo em laçamento de dardo.

“Houve épocas menos boas onde não haviam apoios, não haviam condições, mas persisti e hoje vejo o fruto do meu trabalho, que é uma grande satisfação”, frisa Fernandes.

Outra curiosidade é que Márcio nunca hesitou em representar Cabo Verde apesar de ter nascido em Portugal.

Segundo Fernandes “eu nunca pensei em representar outro país que não fosse Cabo Verde, é muito mais satisfatório saber que és importante num país, de que ser mais um entre os muitos. Neste país cada cabo-verdiano conta, cada feito conta para o desenvolvimento do nosso Cabo Verde”.

Desta forma o campeão agradece todo o apoio dos cabo-verdianos e das instituições, que vem o apoiando nesta caminhada de sucesso.

O campeão mundial de lançamento de dardo é hoje uma das pérolas de Cabo Verde, que vai representar o país nos Jogos Paralímpicos do Rio2016, e para isso promete trabalhar árduamente e trazer o melhor resultado para o aquipélago.

“Vou dar 120% de mim para conseguir um bom resultado, apesar de não pometer nada vou trabalhar para isso”, afirma Márcio.

O atleta continuará assim a sua caminhada com muito treino, sabendo do peso de ter uma medalha de ouro do campeonato mundial de paralímpicos.