• PT
  • EN
  • FR

“Ganhei uma grande experiência como atleta nesta competição”, garantiu a atleta Ingrid Carvalho que acaba de regressar do Senegal, com os troféus de primeiro lugar e melhor atleta da categoria júnior no “Open Internacional de Dakar”.

A atleta competiu contra o Mali e o Senegal derrotando a ambas com um score de 6-2 e 6-5, visitou, nesta tarde de quarta-feira, o Comité Olímpico Cabo-verdiano, para mostrar os troféus ganhos na competição.

Ingrid Carvalho inaugurou com chave de ouro a sua saída para competições internacionais, assinala que foi difícil chegar a este resultado, principalmente por ter sido a última cabo-verdiana a competir, quando todos os outros atletas já haviam perdido em seus combates.

“Foi difícil, quando vai-se para uma competição vai-se para vencer, mas eu não acreditava na vitória do torneio, principalmente quando todos já haviam perdido e eu era a última, mas consegui”, afirma.

Além de vencer a atleta diz ter ganho muito em técnica nesta competição, e o treinador Silvino de Pina que também acompanhou a delegação como árbitro, junto com o Mestre Joseph Pina, garantiu que apesar de ser no tatami onde se pensa ganhar mais experiência, foi como expetador que Ingrid deve ter adquirido as melhores perspetivas da competição, o que contribui para a sua formação com atleta.

À margem da competição Silvino de Pina realça que a aposta que se fez em levar atletas nacionais mostra cada vez mais as potencialidades, apesar das poucas condições de treino e de formação dos treinadores e técnicos.

No entanto as competições de Ingrid Carvalho ainda estão apenas a começar, tendo em vista para muito em breve um Open nas ilhas Canárias, que entretanto ainda não está confirmada por questões de apoio financeiro.

Três atletas da ilha de São Vicente e uma da cidade da Praia participam na Taça Presidente no Senegal, que decore este fim-de-semana na capital, Dakar, sob o comando do treinador Joseph Pina. .

Os atletas Manuel Monteiro -58 kg, Kevin Tavares -58kg, Lenine Soares -80kg e Ingride Carvalho -67 kg júnior, competem todos neste sábado, e estão confiantes numa boa participação. Cabo Verde ainda participa com o árbitro, Silvino de Pina.

Em conversa o treinador Joseph Pina assegurou que é um torneio com um bom nível, e apostou-se na participação de atletas residentes para que ganhem experiências em competições internacionais.

O torneio reune países de todos os continentes no estádio de Marius Ndiaye.

Foto: Balla Dieye

A Presidente da Academia Olímpica de Cabo Verde, Maria Eduarda Vasconcelos, estará de 14 a 16 deste mês a representar Cabo Verde, na Assembleia Eletiva da Associação de Academias Olímpicas Nacionais Africanas (AANOA), com lugar em Túnis, na Tunísia.

Esta que será mais uma assembleia da associação terá na agenda o debate sobre os planos e atividades a serem desenvolvidas pela organização nos próximos anos.

Em conversa com a Presidente da AOC, a dirigente afirmou que “em primeiro lugar regozijamos com o convite feito a AOCV pela AANOA, visto termos entrado nessa Associação no ano passado. Veio da parte do Sr. Presidente Dr.Ridha LAYOUNI após termos trabalhado juntos em Atenas-Olimpia, no encontro anual dos Presidentes das Academias Olímpicas de todo mundo”.

Quanto às perspetivas da participação de Cabo Verde nesta assembleia eletiva, Maria Eduarda realça que é sempre positiva, uma grande oportunidade de conseguir contatos, e para também agarrar oportunidades de maior valia para o País.

Eduarda Vasconcelos deverá fazer ainda uma pequena intervenção sobre o desporto e o Olimpismo em Cabo Verde, afunilando na ainda jovem Academia Olímpica Cabo-verdiana.

“Algo importante também a defender nessa reunião será a nossa candidatura a um concurso para uma subvenção da AANOA, cujo projeto Desportivo teria que enaltecer a defesa dos Valores Olímpicos, fomos selecionados entre 11 Países Africanos tendo só 2 são Lusófonos, CV e São Tome”, acrescenta a Presidente.

A Academia Olímpica Cabo-verdiana foi fundada no ano de 2015. Ainda muito recente tem feito o seu papel na divulgação dos valores olímpicos no ambiente académico.

A escola de línguas Poylglot celebra, no próximo dia 18, em parceria com o Comité Olímpico Cabo-Verdiano e o Espaço Aberto Safende, o seu terceiro aniversário, com uma edição do programa “Desporto para a vida”, que irá decorrer no estádio relvado da comunidade de Safende, a partir das 09 horas deste sábado.

Este evento que terá o nome de “Caça ao Tesouro” irá reunir crianças da localidade que frequentam aulas de línguas no espaço aberto e da escola local, com o propósito de praticar várias modalidades desportivas em um só espaço, aliadas ao ensino da língua e das culturas estrangeiras.

Neste evento cujas modalidades desportivas serão explicadas na língua inglesa e francesa, pretende-se também criar nas crianças da localidade uma consciencialização dos seus direitos e deveres, e como aplicá-las no seu dia, com os diversos jogos que serão desenvolvidos.

Lembre-se que o programa “Desporto para a Vida” é um projeto da organização desportiva Internacional SportImpact, que em parceria com o Comité Olímpico Cabo-verdiano levou o desporto e a preservação ambiental às ilhas habitadas do país, em 2016, no âmbito do projeto VerdeOlympics, que foi pré escolhido pelo Comité Olímpico Internacional como exemplo a outros países do mundo, no que tange à colocação do desporto ao serviço do ambiente.

As inscrições para as aulas de Francês para dirigentes, treinadores e árbitros, promovidas pelo Comité Olímpico Cabo-verdiano, já se encontram abertas nas diferentes Federações desportivas do país, com o objetivo de oferecer mais uma ferramenta a esses agentes desportivos, no que tange à comunicação e o desenvolvimento profissional do desporto.

O curso que irá decorrer na sede do Comité Olímpico Cabo-verdiano, no período pós-laboral, será ministrado com voluntário francês Leo Moreau, e terá a duração de seis meses a partir do dia 23 deste mês.

Para se inscrever os agentes deverão preencher um formulário nas respetivas Federações desportivas, até o dia 17, quando serão encerradas as inscrições.

Recorde-se que o voluntário Leo Moreau encontra se em Cabo Verde fruto de uma cooperação entre o Comité Olímpico Cabo-verdiano e o Comité Olímpico Francês, com o propósito de promover a francofonia no seio do desporto cabo-verdiano.

Antes da sua vinda para Cabo Verde o voluntário esteve no Brasil, onde trabalhou na administração pública do estado de Minas Gerais, tendo desenvolvido projetos de cooperação entre escolas e a organização olímpica inglesa, para fomentar o inglês, naquela região durante os Jogos Olímpicos.

Leo Moreau é formado em Relações Internacionais, Ciência Politica e Letras.