• PT
  • EN
  • FR

Encontram-se abertas, até o dia 07 de setembro, as inscrições para frequentar um curso de Educação Olímpica, totalmente à distância e em português, numa parceria entre do Grupo de Pesquisa em Estudos Olímpicos PUCRS e Comitê Brasileiro Pierre de Coubertin.

Segundo explicam "a Educação Olímpica não é uma nova proposta de educação física, não se propõe a substituir outros conteúdos, nem é uma defesa ou etapa de preparação para o desporto de alto-rendimento. Mas sim tem seu interesse em auxiliar o comportamento dos indivíduos e dos grupos sociais, tendo os valores Olímpicos como base".
Os objetivos são:

- Identificar os fundamentos, características e valores do desporto Olímpico;

- Compreender as possibilidades de aplicação para a educação em valores por meio do desporto;

- Compreender a Educação Olímpica como iniciativa educacional;

- Conhecer sua aplicação em diferentes âmbitos organizacionais, tais como: empresas, escolas e programas sociais.

Para mais informações clique no link abaixo.

http://educon.pucrs.br/cursos/educacao-olimpica-experiencias-e-possibilidades/

 

O projeto do Comité Olímpico Cabo-verdiano M-Olympics que vai percorrer todas as ilhas do país para semear e sensibilizar a questão da equidade de género no desporto em Cabo Verde já tem tês edições realizadas e cerca de 60 formados em organização de eventos desportivos.

Este que é um projeto integrado na plataforma desporto para a vida, que pretende usar o desporto como forma de empoderar pessoas a tomar suas próprias decisões e mudar suas vidas, surge depois da realização com grande sucesso do projeto VerdeOlympics pré-escolhido pelo Comité Olímpico Internacional como projeto exemplo para a promoção ambiental através do desporto (as olimpíadas-verdes como a denominam).

O M-Olympics segue o mesmo modelo do VerdeOlympics, formando jovens interessados no desporto, durante uma semana num workshop e no final os formandos são desafiados a promover um mega evento desportivo, na localidade onde acontece a formação.

Este projeto tem como principal foco o aumento da participação feminina no desporto, tanto como praticantes como nos cargos de direção, algo pouco constado em Cabo Verde..
 
A coordenadora do projeto Ivete Rosa que tem em agenda a passagem por todas as ilhas, diz se por agora satisfeita com o interesse e a presença dos jovens.

"Temos estado a trabalhar com jovens interessados e dinâmicos o que tem chamado a nossa atenção, já conseguimos ter cerca de 60 formados, e 2000 crianças nos eventos multidesportivos, só nas primeiras três ilhas que já passamos".

Ivete Rosa espera também que no ano de 2018 depois dos relatórios poder constatar que a presença feminina aumentou nos espaços desportivos e nos cargos de liderança.

Para já a coordenadora já tem a ilha do Fogo como próxima paragem, e apela aos jovens que adiram para que se tornem-se empoderados na questão de organização de eventos desportivos com parcos recursos e voltado a equidade de género.

O Comité Olímpico Cabo-verdiano recebeu, na manhã desta quinta-feira, o presidente da Organização Nacional Anti-Dopagem de Cabo Verde, no intuito de dar conhecer os seus projetos e possíveis pontos de cooperação entre as duas instituições.

O encontro que aconteceu no mais alto nível com os presidentes das duas instituições, foi de grande valia como assinalaram os dois responsáveis do desporto nacional.

Para Filomena Fortes, “o Comité Olímpico como membro da WADA (Organização Mundial anti-dopping) tem que trabalhar em sinergia com a organização nacional de anti-dopping, para que além de proteger o desporto limpo haja valores olímpicos intricados nos atletas”.

Por seu turno o Presidente da ONADCV, Emanuel Passos, que não vai longe da opinião de Filomena Fortes, deixou saber da vontade da organização que lidera, ter uma relação estreita com o Comité Olímpico Cabo-verdiano, na medida em que não é só preciso o controlo dos atletas mas, também a educação dos mesmos pelos valores olímpicos bem como a proteção dos que praticam o desporto limpo.

Depois deste encontro ficou fortalecido as relações entre as duas instituições que prometem projetos futuros em conjunto para breve.

A Organização Nacional Anti-Dopping de Cabo Verde, foi empossada a cerca de uma semana e tem feito contatos com as organizações desportivas do país.

 

Esteve de visita, no final desta manhã, ao Comité Olímpico Cabo-verdiano, o Embaixador da França em Cabo Verde, Olivier da Silva, de forma a conhecer e inteirar-se da dinâmica da instituição, que acolhe neste momento um voluntário francês, fruto de uma cooperação com a congénere francesa.

Olivier da Silva deixou saber a sua felicidade em ser recebido na casa do olimpismo, e realçou a vontade de a embaixada estar aberta a futuras cooperações.

Já o Comité Olímpico, na responsabilidade de Filomena Fortes, explicou toda a dinâmica da instituição e deixou saber dos vários projetos que estarão em ação neste e nos próximos anos.

De relembrar que, neste momento o Comité Olímpico alberga um voluntário da França, que encontra-se inserido em vários projetos, nomeadamente, no ensino da língua francesa aos agentes desportivos, a criação de uma plataforma de educação desportiva olímpica e de promoção de eventos desporto para a vida incutindo nela a francofonia.

O atleta cabo-verdiano Gelson Rocha garantiu, nesta quinta-feira, o acesso ao campeonato do mundo de boxe, ao vencer nas quartas de final o atleta narroquino Kachfi Taoufik, no campeonato africano da modalidade, com lugar em Brazzaville Congo, tenho já certo a medalha de bronze. 

Gelson, que compete na categoria de 56 kg,  luta agora para prata, nesta que é a maior montra do boxe do continente africano.

Estando já nas meias-finais o pugilista garantiu presença no Mundial da AIBA, com palco, na Alemanha, em agosto deste ano, 

O combate de todas as decisões acontece amanhã, 24 de junho, perante o atleta das Ilhas Maurícias.